O famoso Monte Kilimanjaro está a 5.895 metros acima do nível do mar e é conhecido como o “Telhado da África”. Muitos turistas viajam até a Tanzânia com o único objetivo de escalar essa bela montanha.

Embora o clima predominante nesta área do continente africano seja o tropical, os cumes do Kilimanjaro são cobertos por uma extensa camada de neve durante todo o ano. Portanto, você observará um lindo contraste na paisagem da região.

Para conhecer mais sobre esse lugar incrível continue lendo nosso artigo!

Onde fica o Monte Kilimanjaro?

O Monte Kilimanjaro está localizado no norte da Tanzânia, mais precisamente no Parque Nacional Kilimanjaro próximo à fronteira com o Quênia.

Como chegar ao Monte Kilimanjaro?

Para chegar até o Monte Kilimanjaro você pode pegar um voo saindo do Brasil ou em Arusha, na Tanzânia.

Voo saindo do Brasil

A viagem do Brasil até o Monte Kilimanjaro pode ser feita com a Ethiopian Airlines. O embarque é feito em São Paulo e seu itinerário conta com duas paradas até o destino final, uma na Etiópia e outra em Dar Es Salaam.

Voo saindo de Arusha 

Se você já está viajando pela Tanzânia, a dica é pegar um voo de Arusha ou Dar Es Salaam para o Monte Kilimanjaro. Algumas companhias aéreas locais oferecem voos diários para a região, entre elas estão: Air Tanzania e Precision Air.

Escalada no Monte Kilimanjaro

Monte Kilimanjaro
Kilimanjaro por Stephan Bechert

Os 5.895 metros do Monte Kilimanjaro costumam assustar quem nunca praticou montanhismo, porém essa é uma subida que vale muito a pena. A montanha é o ponto mais alto da África, por isso são necessários em torno de cinco a oito dias para chegar a seu cume e voltar.

A maior dificuldade que os montanhistas podem encontrar no Kilimanjaro é o efeito da grande altitude no corpo. Afinal, a pressão atmosférica diminui conforme subimos altas elevações acima do nível do mar, em consequência, quanto menor a pressão também se torna menor a quantidade de oxigênio presente no ambiente.

Alguns turistas costumam sentir falta de ar e até náuseas, portanto, a dica é caminhar até o topo aos poucos e sempre monitorando o que está sentindo.

Trilhas Monte Kilimanjaro

Existem sete rotas diferentes para quem quer subir o monte, todas com diferentes níveis de dificuldade, tempo de caminhada e infraestrutura, são elas: Marangu, Machame, Lemosho, Shira, Rongai e Umbwe e Mweka, que é usada apenas para descidas. Separamos as trilhas mais usadas para se chegar até o topo do Monte Kilimanjaro:

Trilha Marangu

Essa trilha sobe o Kilimanjaro pela parte sul e é uma das rotas mais comuns. A infraestrutura é bem turística, portanto é comum encontrar máquinas que vendem coca-cola no local e outras facilidades.

Marangu é a trilha mais antiga, por isso possui boas sinalizações e várias acomodações permanentes em seu percurso. Aliás, essa é a única rota até o Monte Kilimanjaro que não permite acampamentos. Desse modo, os visitantes dormem em pousadas e dormitórios que os protegem da chuva e do vento.

Quem quer ter uma experiência mais próxima à natureza, normalmente não escolhe esse percurso, principalmente por ser uma rota mais movimentada e curta. São necessários apenas 5 dias para chegar ao Pico Uhuru. No entanto, muitos visitantes falham para chegar até o final da rota, pois é mais difícil de se acostumar com a mudança de altitude.

Duração: 5 dias

Nível de dificuldade: Iniciante

Trilha Lemosho

Monte Kilimanjaro rota de Lemosho

A trilha Lemosho sobe o Monte Kilimanjaro pelo lado oeste. Essa rota costuma ser mais vazia que as outras, portanto é uma das mais recomendadas para quem quer avistar belas paisagens.

A rota começa em uma floresta tropical muito bonita, em seguida, sobe e atravessa o planalto de Shira. Logo depois, a caminhada passa pelo Moir Hut e se junta a trilha de Machame, onde há mais pessoas.

Vale lembrar que essa rota é longa e o período recomendado para sua subida é de 8 dias, assim os montanhistas podem fazer uma boa aclimatização e aproveitar o tempo que passam na natureza.

Duração: 8 dias

Nível de dificuldade: Intermediário

Trilha Rongai

Klilimanjaro rota
créditos Mark Horrell

Rongai é conhecida como a única trilha que sobe pelo lado norte do Kilimanjaro, além disso, também é uma das mais vazias e secas da região. Quem escolhe esse caminho para subir consegue passar por um grande número de “ambientes” diferentes. Apesar de não ser tão bonita quanto o lado oeste da montanha, o fato de ser um local mais remoto e selvagem atrai visitantes que querem uma experiência única.

A caminhada também é longa na rota Rongai, leva em torno de 10 dias para subir até o topo. É recomendado ter um bom preparo físico para fazer essa trilha, então se prepare antes de se desafiar nessa montanha maravilhosa.

Duração: 10 dias

Nível de dificuldade: Intermediário

Quanto custa?

O custo da sua viagem vai depender dos seus objetivos e escolhas. Algumas trilhas não recebem tantos visitantes, por isso os valores para ter acesso a esses lugares podem ser mais altos. Além disso, você pode precisar de mais de um guia ou carregadores durante a escalada, esteja sempre atento a isto.

Para entrar no Parque Nacional Kilimanjaro também existe uma taxa de conservação fixa. Esse valor é revertido para a preservação das espécies e sinalizações dentro do parque.

Taxa de conservação: US$ 70 para adultos; US$ 20 para menores de 15 anos;

Quando visitar?

O Kilimanjaro pode ser visitado durante todo o ano, no entanto alguns meses são mais adequados para escalar as montanhas ou acompanhar a vida selvagem.

A estação seca ocorre entre janeiro e março, esse é o melhor momento para escaladas e caminhadas.

Se você pretende explorar também os safáris da região, a dica é se programar para ir entre os meses de junho e outubro. Durante esse período, os gnus estão migrando e os Big Five se concentram ao redor dos poços de água, facilitando o avistamento.

Dúvidas sobre o Monte Kilimanjaro?

Se você tiver perguntas específicas sobre o Monte Kilimanjaro, contate nossa assessoria de viagem e faça um roteiro personalizado para a Tanzânia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.