No dia 24 de novembro, uma nova cepa variante do Covid-19 foi descoberta por cientistas na África do Sul e foi chamada de Ômicron. No momento, não existem informações concretas sobre ela e sua transmissão.

Porém, devido a incerteza sobre a cepa alguns países restringiram a entrada de viajantes que estiveram em locais com confirmações de casos. Nosso artigo explica o que está confirmado e o que é possível fazer nesse momento.

O que são variantes?

Variante Ômicron de Covid

As variantes da Covid-19 são mutações do vírus original. Depois que os cientistas encontram uma linhagem, a qual possui replicações distintas em comum, é possível denomina-la como variante.

Esse ciclo é bem natural para um vírus, porém com a pandemia os cientistas passaram a ter mais cuidado com essas mudanças. Como resultado, já foram descobertas 5 variantes:

  • Alfa: a antiga B.1.1.7, identificada no Reino Unido.
  • Beta: a antiga B.1.351, identificada na África do Sul.
  • Gama: a antiga P.1, identificada no Brasil.
  • Delta: a antiga B.1.617.2, identificada na Índia. 
  • Ômicron: a antiga B.1.1.529, identificada na África do Sul

Os estudos permitem que vacinas mais precisas sejam produzidas e que o vírus possa ser combatido de forma mais rápida. Por isso, identificar a cepa é muito importante e não há motivos para alarde.

Gravidade da variante Ômicron

Apesar de parecer uma situação preocupante, estudos sobre a gravidade da nova cepa já estão sendo feitos e também testes.

De acordo com Angelique Coetzee, a médica sul-africana que descobriu o Ômicron, não há nenhuma informação consolidada que a variante seja uma forma mais grave da doença. Entretanto, é necessário manter as recomendações da OMS para garantir a segurança, como o uso de máscaras, higiene e distanciamento social. Além disso, a vacinação é essencial para evitar a contaminação da doença.

Situação Covid-19 na África do Sul

A vacinação na África do Sul está avançando cada vez mais, atualmente o país conta com 24% de sua população acima de 12 anos vacinada. Além disso, o território sul-africano possui um alerta com 5 níveis de lockdown como medida restritiva, que conseguem barrar a propagação do vírus.

O nível de alerta 1 indica baixa infecção do vírus e alta disponibilidade do sistema de saúde, já o nível de alerta 5 demonstra alta propagação de Covid-19 e baixa disponibilidade de vagas no sistema de saúde. Portanto, nos níveis mais altos as medidas são mais restritivas. Atualmente, a África do Sul se mantém no nível de alerta 1 (mais brando).

A Ômicron surgiu na África do Sul?

Ainda que a África do Sul tenha sido o local onde a nova variante tenha sido detectada, não necessariamente o país é o ponto de surgimento da variante Ômicrom.

Já registraram a nova cepa em todos os continentes, portanto é possível que já estivesse circulando entre vários países anteriormente.

Restrição de voos na África do Sul e região

No momento atual, estão proibidos voos com destino ao Brasil saindo da África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. Além disso, viajantes estrangeiros que estiveram nesses países nos últimos 14 dias também não podem embarcar para o território ainda.

Porém, não está restrita a entrada de brasileiros no Brasil. Quem esteve em um dos seis países listados precisa cumprir quarentena de 14 dias ao retornar ao país. Também é preciso apresentar o exame PCR negativo feito com 72 horas antes do embarque.

Além disso, os voos saindo do Brasil com destino África do Sul e seus arredores foram cancelados. No entanto, ainda é possível chegar até o país através de escalas em outros países.

Como viajar com a variante Ômicron?

Ainda que a variante Ômicron seja uma nova mutação do covid-19, isso não significa que vamos regredir ao que vivemos durante a primeira onda da doença. A própria Organização Pan-Americana da Saúde declarou que a proibição de viagens não se mostra eficiente na redução da transmissão de nenhuma variante do coronavírus.

Desse modo, entendemos que é possível viajar, porém para isso é necessário seguir os protocolos de prevenção e segurança.

Aqueles que desejam viajar durante o ano de 2022, terão que fazer um bom planejamento e pesquisar quais regras estão em vigor no país que irão visitar. Por exemplo, para viajar para a África do Sul é preciso fazer o teste PCR com antecedência de até 72 horas e ficar em quarentena no retorno ao Brasil.

Medidas de segurança diante da Variante Ômicron

Diante da nova variante, a recomendação é manter os cuidados básicos como o distanciamento social, uso de máscara e higiene correta. Independente do lugar que você visitar, seja no Brasil ou exterior, essas são as principais medidas de segurança.

Sobretudo, esteja atualizado sobre as notícias e alertas que estão ocorrendo no seu destino de viagem. Nesse sentido, é essencial procurar os sites oficiais. As restrições, como o fechamento de comércio e outras medidas podem mudar durante sua estadia.

Sobre as viagens para a África do Sul

Separamos algumas dúvidas sobre a atual situação da África do Sul com a variante, confira a seguir:

  • Já existe previsão da liberação dos voos?

Ainda não, mas é bem provável que logo acabem com a restrição. Assim como aconteceu no Reino Unido.

  • A Emirates voltou a fazer o itinerário para Cape Town?

Não, por enquanto a Emirates opera apenas o itinerário para Joanesburgo.

  • Já é possível viajar de Portugal para Cape Town?

Sim, por exemplo a Lufthansa faz esse itinerário. Não é necessário fazer quarentena.

  • Existem voos do Brasil para Cape Town?

Sim, a Lufthansa e a Qatar estão fazendo esse itinerário. Porém, nenhum desses voos é direto, eles possuem escalas.

  • Para frequentar restaurantes é necessário estar com a carteira de vacinação de covid-19?

Não, no entanto, nossa assessora recomenda que todos levem seus comprovantes de vacina na viagem.

  • Existem restrições de circulação de pessoas em Cape Town?

Não existe restrição de circulação, exceto pelo toque de recolher entre meia-noite e 4h. Qualquer mudança nessa situação é comunicada à população.

Embaixada Brasileira na África doSul

Segundo a Embaixada e o Alto-Comissariado do Reino Unido em Pretória, a British Airlines e a Virgin Atlantic retomarão os voos partindo da África do Sul no dia 1 de dezembro. Não haverá impedimento, por parte das companhia aéreas ou das autoridades britânicas, para que brasileiros embarquem nesses voos e realizem escala no Reino Unido com destino final no Brasil.

A Embaixada Brasileira continua em contato com Embaixadas de outros países, cujas companhias aéreas operam na África do Sul, com o objetivo de que aceitem passageiros em trânsito com destino ao Brasil.

Atualização 01/12

A Embaixada Brasileira também avisou que não haverá mais impedimento, por parte das autoridades suíças, para que brasileiros embarquem em voos da Swiss e realizem trânsito naquele país com destino final no Brasil. A notícia foi feita em conjunto com a Embaixada da Suíça em Pretória.

Atualização 02/12

A situação atual de algumas das companhias aéreas que operam na África do Sul é a seguinte:

  • Qatar – Os voos de saída da África do Sul continuam suspensos. Passagens para voos apenas a partir de 15/12;
  • TAAG – Está realizando voos de repatriação até Luanda, prioritariamente para passageiros com bilhetes até 5/12, mas com possibilidade de venda de passagens caso haja lugar. Os voos regulares de Cape Town e Joanesburgo estão suspensos. Os voos de Luanda para SP serão retomados em 2/12;
  • Etihad – Todos os voos cancelados até 9/12. Email propondo remarcação será encaminhado diretamente para cada detentor de bilhete;
  • Turkish Airlines – Os voos seguem suspensos, sem previsão de retomada.

Atualização 03/12

  • KLM – Não interrompeu seus voos partindo da África do Sul, mas só está permitindo o embarque de cidadãos ou residentes de países europeus, equipes médicas e tripulação. Por ora, não são admitidos passageiros de outras nacionalidades que façam trânsito por Amsterdam.
  • Air France – Irá retomar os voos partindo da África do Sul no sábado, 4/12, mas apenas os cidadãos de países da UE, diplomatas e tripulantes poderão embarcar; não está sendo admitido o trânsito de outros passageiros.
  • British Airways – A Embaixada do Reino Unido esclareceu que segue não havendo impedimento para que brasileiros embarquem, mas ressaltou que os passageiros precisam apresentar teste de Covid-19 e que os bilhetes não podem ser adquiridos por terceiros.

Atualização 06/12

  • Air France – Está autorizada o embarcar passageiros provenientes da África do Sul (inclusive brasileiros) com trânsito de menos de 24 horas na França em seus voos.

Atualização 10/12

  • QATAR – A cia divulgou que voltará a embarcar passageiros em seus voos a partir da África do Sul em 12/12. A frequência será de dois voos diários de Johanesburgo para Doha e um voo diário da Cidade do Cabo para Doha.
  • TAAG – A cia anunciou a realização de voos de repatriação a partir da Cidade do Cabo (16, 23, 30/12/21 e 6 e 13/1/22) e de Johanesburgo (11 e 18/12/21 e 8 e 15/1/22) para Luanda.

Atualização 13/12

  • TAAG – Os brasileiros que desejarem retornar ao Brasil pelos voos de repatriação agendados pela TAAG deverão utilizar exclusivamente os voos com partida da Cidade do Cabo, que chegam em Luanda no mesmo dia em que partem voos para São Paulo.
  • QATAR – Depois de haver anunciado que retomaria o embarque de passageiros em seus voos partindo da África do Sul em 12/12, a Qatar Airways, na véspera, adiou a medida, sem deixar claro quando ocorrerá.

2 comentários em “Variante Ômicron: o que é preciso saber?”

    1. leticiapiresmoraes@gmail.com

      Olá Helena, o bilhete da passagem deve ser adquirido pelo próprio passageiro diretamente com a British Airway. Espero que tenha esclarecido sua dúvida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *